segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

A GEIRA ROMANA / VIA NOVA (2)

Gerês – 13 de Janeiro de 2007

Vilarinho da Furna

Como homenagem às gentes que durante séculos viveram na desaparecida aldeia comunitária de Vilarinho da Furna, deixamos este importante poema do Mestre Miguel Torga


REQUIEM

Viam a luz nas palhas de um curral,
Criavam-se na serra a guardar gado.
À rabiça do arado,
A perseguir a sombra nas lavradas,
Aprendiam a ler
O alfabeto do suor honrado.
Até que se cansavam
De tudo o que sabiam,
E, gratos, recebiam
Sete palmos de paz num cemitério
E visitas e flores no dia de finados.
Mas, de repente, um muro de cimento
Interrompeu o canto
De um rio que corria
Nos ouvidos de todos.
E um “letes” de silêncio represado
Cobre de esquecimento
Esse mundo sagrado
Onde a vida era um rito demorado
E a morte um segundo nascimento.

Continua…

Sem comentários:

Publicar um comentário