quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

06-01-2007 Trilho dos Miliários (1)

Cossourado e Rubiães – 11km / Circular

NOME DO PERCURSO - TRILHO DOS MILIÁRIOS
ENTIDADE PROMOTORA - MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA
TIPO DE PERCURSO - PEQUENA ROTA
ÂMBITO DO PERCURSO - HISTÓRICO / PAISAGÍSTICO
PONTO DE PARTIDA - IGREJA - COSSOURADO
DISTÂNCIA PERCORRIDA - 11 km
DURAÇÃO DO PERCURSO - 4 h 30 m
GRAU DE DIFICULDADE - FÁCIL
COTA MÁXIMA ATINGIDA - FORTE DA CIDADE 376 METROS

Partindo da Igreja de Cossourado, tomamos o caminho de calçada à portuguesa que surge à nossa direita e que desemboca numa estrada florestal para, a escassos metros, nos conduzir ao ponto mais alto deste percurso – o Forte da Cidade.
Este, constitui paragem obrigatória, quer pelo valor paisagístico, quer pelo indiscutível valor patrimonial arqueológico.

Neste ponto cimeiro, encontram-se vestígios de um povoado que testemunha a presença da cultura castreja do Noroeste Peninsular. Trata-se de um povoado fortificado da Idade do Ferro conhecido por Cividade de Cossourado, que, segundo os investigadores, parece ter sido abandonado antes do fenómeno da romanização.
O nome desta freguesia, provavelmente, teve origem na palavra “cossoiro” que constitui um elemento do fuso de tecelagem.
Voltando para trás, pelo mesmo caminho, viramos à direita, seguindo uma estrada florestal que nos conduzirá até ao lugar de Antas, da freguesia de Rubiães.

Aqui, numa pequena ermida, podemos apreciar vestígios da passagem romana – os marcos miliários - que indicavam as milhas romanas da via militar 19, do Itinerário de Antonino.

Deixando o lugar, vamos continuando caminho até ao rio Coura por uma paisagem bucólica, de singular beleza, onde os campos dão lugar a pequenos bosques de ribeira que marginam o rio.

Depois de passarmos a ponte dos Caniços, seguimos pela estrada municipal, para, passados poucos metros, voltamos à esquerda e seguirmos um caminho florestal que nos levará até ao lugar de Casco, da Freguesia de Rubiães.

Daqui seguimos até à Igreja Românica desta Freguesia.

Após uma curta paragem para observarmos este belo testemunho da arquitectura medieval, cruzamos a estrada para seguirmos em direcção ao lugar do Crasto.
Por entre campos, nos conduzirá a um conservado elemento arquitectónico de origem Romana : a Ponte Romano / Medieval de Rubiães.

Seguidamente, viramos à direita em direcção à estrada nacional 201.
Após passarmos por entre os campos de cultivo, damos com um pequeno bosque misto, que atravessamos.

Passado pouco tempo, voltamos novamente à estrada nacional 201, para, poucos metros à frente, virarmos à esquerda, seguindo o caminho que nos levará ao escadório da Igreja de Cossourado, precisamente no mesmo lugar onde teve início este passeio pelas remotas origens de Terras de Coyra.

Texto: Folheto Informativo C.M. Paredes de Coura
Continua...

Sem comentários:

Publicar um comentário