quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Despede-te de Agosto




REGRESSO

Regresso às fragas de onde me roubaram.
Ah! Minha serra, dura infância!
Como os rijos carvalhos me acenaram,
Mal eu surgi, cansado, na distância!

Cantava cada fonte à sua porta:
O poeta voltou!
Atrás ia ficando a terra morta
Dos versos que o desterro esfarelou.

Depois, o céu abriu-se num sorriso,
E eu deitei-me no colo dos penedos
A contar aventuras e segredos
Aos deuses do meu velho paraíso!


Miguel Torga – Diário VI (1963)




«SAUDADE»

As velas passam ao vento
Do mar, pela imensidade,
Como as velas da saudade
Pelo mar do pensamento.

Ter saudades... para quê?
- Para a luz surgir mais viva.
É mais belo o que se vê
Quando se tem perspetiva.

Saudade, disse um poeta:
- «É gosto amargo!» - também
O travo do pranto amarga
E que doçura que tem!

Ao Sol ardente de Agosto
Tem-se saudades do Inverno,
No mundo nada contenta,
Nada, por isso, é eterno!

A saudade é o cri-sol
Duma afeição bem sentida;
A saudade é como o Sol:
Ora queima, ora dá vida!

Poema de Maria de Carvalho 




Aquele Abraço

Sem comentários:

Publicar um comentário