segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

A Todos desejo um Feliz Natal




NO PRESÉPIO

Naqueles dias, então,
- por decreto imperial -
saíu um senso geral
a toda a Tribo ou Nação.

César Augusto era o génio
de Roma - da Seythia à Illyria -
Era então também Cirenio
o presidente da Syria.

Longas estradas de além,
José, mais a noiva amada,
caminharam de jornada
para as terras de Bethlem.

José, o noivo real,
tivera seu berço ali.
Era o seu país natal.
Eram campos de David.

De regia ascendência nobre,
José, apesar de herdeiro,
era um simples carpinteiro,
sereno, tranquilo e pobre.

Sabia vestir os nus,
socorrer a fome crua,
e aos olhos da noiva, à lua,
mandar súplicas de luz.

Ora, eram vindos os dias,
segundo os signos dos Céus,
e as letras das Profecias:
- que nascia um Filho de Deus.

Mas este Filho Real
não foi dos Céus embalado,
não teve ouro nem brocado,
nem teve régio enxoval.

Não lhe mandou Deus enfeite
em uma salva dourada.
- Teve as pérolas do leite,
- e o orvalho da madrugada.

Não lhe cantaram cantigas
os sóis, para o adormecer.
- Teve o oiro das espigas
- e os rubís do amanhecer.

Não lhe ofertaram toalhas
princesa ou rainha loura.
- Por enxoval teve as palhas.
- Por berço uma manjedoura!

Não lhe fez festas o Eterno,
ao colo de uma Rainha.
- Só teve o bafo materno
da vaca, e da jumentinha!

E o Rei da Morte e da Dôr,
sem ter archeiros reais,
só leu cortejos de Amor
- nos olhos dos animais!

Gomes Leal / História de Jesus


Citação de Pe. Américo Monteiro de Aguiar:

«Todo o regresso a Nazaré é Progresso Social Cristão»

Aquele Abraço

Sem comentários:

Publicar um comentário