quinta-feira, 21 de julho de 2016

Dia do Amigo(a) 2


«60 Anos da morte de Pai Américo»

Palavras de Pai Américo

Vou-te dizer aqui como vejo a Aldeia dos Rapazes:
Sem receio de que me leves a palma ou roubes a patente;
Se amas, és bem vindo!
Se não, embora venhas, não fazes coisa nenhuma!
Vejo uma grande quinta murada, bosques, água, pastagens,
Chão de cultura, Casas de luz e ar para famílias de vinte.
Escolas. Igreja. Ruas para Oficinas. Trabalho. Brio.
Independência. Responsabilidade.
O Rapaz. Para o Rapaz. Pelo Rapaz.
O funcionário clássico não tem lugar na Aldeia.
Não há ninhos, nem cunhas, nem o suspirado fim-do-mês!
Nem sindicâncias!



"Pensamentos extremos" - (1)



«Cinco Amores»

Naquela aldeia, há anos, por um caminho
Deveras longo, com saibro lamacento,
Com dores e caminhando à chuva e ao vento
Vinha pela mão dum Padre um rapazinho.

Não sabia ...........................................!
Com olhar inocente e encantamento
Só chorava e espelhava o sofrimento
Do que passou por ser tão pobrezinho!

Passado tempo, já não tinha dores.
E disse a todos: - Tenho cinco Amores!
É tudo o que preciso e até sobeja:

- Tenho esta Casa cheia de beleza!
- Gosto de ser Gaiato e da Natureza!
- Ando na Escola e rezo numa Igreja!

(este poema foi publicado no jornal "O Gaiato" nº 1891)
Sê mais um assinante deste jornal:
http://www.obradarua.org.pt/index2.php?accao=op10







"Pensamentos extremos" - (2)

« o Erro »

Passados anos, regresso ao que fui eu.
Dessa distância sinto-me lembrado
Quando parti num sonho do passado
P'ra conquistar um mundo que era meu.

Cego e crente nessa velha história:
"Lá fora é fácil! Tu vais ver que gostas!"
Ninguém ouvi e nem a palmatória
Me impediu de sair, de virar costas.

Louco por .................................,
Fugi! E era ainda rapaz novo...
Vida de enganos foi o que vivi!

E hoje vejo o erro na lembrança!
Óh! Quem dera voltar a ser criança
E não cometer o erro que cometi!





(Fotos do Tony - irmão do Rui)

Ao Amor que te arrasta:

Se a estrada que percorres é de Paz
E Justiça! E Justiça! Irei contigo!

Se a Esperança cai desfeita a teus pés
Recomeça! Recomeça! Irei contigo!

Aquele Abraço







Sem comentários:

Publicar um comentário