quarta-feira, 15 de maio de 2013

Parabéns, Mara !




MENINA E MOÇA

Na solidão da tua casa antiga,
Bordando ou lendo um livro de orações,
Desconheces as grandes comoções,
Nesse viver de ingénua rapariga.

Vôo não há que o teu olhar não siga
- Asas pairando noutras regiões
Aonde as rezas são constelações
E a Fé um céu azul que tudo abriga...

Menina e moça, pura sem cuidados,
Que só os pobres julgas desgraçados
E passas pelo fôjo sem o ver;

Que Deus te leve pelos seus caminhos,
Que não deixe rasgar-se nos espinhos
A tua infinda graça de mulher.

Poema de Angelo César

Sem comentários:

Publicar um comentário