quinta-feira, 22 de julho de 2010

A Barca de Pedorido (2)

A Freguesia de Pedorido...

A mais distante do Concelho de Castelo de Paiva, situa-se na margem esquerda do Rio Douro e está inserida no Distrito de Aveiro. Tem 11 km de extensão e nela vivem menos de 2000 fregueses.
O Orago desta terra é Santa Eulália, também uma Padroeira dos mineiros.
Foi uma das primeiras Freguesias da Terra ou Julgado de Paiva, conforme documentos dos sec. X e XI que assinalam este Concelho.
Há várias etimologias sobre a origem do nome desta Freguesia e uma delas, anterior ao sec. XII, é Pedraído ou Petraído, que definia o território acidentado e pedregoso ao longo do vale do Rio Arda. Um documento do sec. XI descreve a antiga Igreja de Santa Eulália situada em Pedourido.
À entrada da Junta de Freguesia podemos admirar a antiga locomotiva “Pedorido” com potência de 70 cavalos que, como alguns sabem, funcionava nas Minas do Pejão onde operava uma linha de 600 mm com diversos locos de vapor de “Oreinstein & Koppel” até aproximadamente ao ano de 1970.
Outras três locomotivas iguais estão num museu da Grã Bretanha.
Adiante da Ponte centenária e próximo do cais do Rio Arda existe o espaço de laser onde se encontra o sempre improvisado restaurante “Jardim do Arda” onde se come e bebe bem e que tem nas paredes expositores com “fósseis trilobites” designados mais concretamente por pedras de antracite provenientes das Minas do Pejão... e também a Tasquinha, entre outros.
Relaxando, podemos admirar o Rio Arda, esse maravilhoso rio que nasce e irriga as férteis terras de Arouca em suave andamento mas, tem um esforço natural suplementar até à foz para atravessar os quartzitos rochosos do flanco ocidental e com bucólico romantismo vir a Pedorido confluir com o Douro.

Sobre Pedorido, dizia Pinho Leal no seu dicionário “Portugal antigo e moderno”:
(…) esta Freguesia foi, durante muitos anos, excelente zona de pesca fluvial e compunha-se de duas povoações : Pedorido e Póvoa ; de duas quintas : Fornelo e Germunde ; e dois casais : Parada e Areja.
Todavia, o povo daqui, distingue a aldeia de Pedorido sob diversos nomes : Igreja, Nogueira do Rio, Costa, Congosta, etc…
Em “Nogueira do Rio”, existia uma estalagem denominada “Maria de todo o Mundo” – boa mulher, natural da Régua, chamada Maria do Nascimento (…)
Encontra-se esta Freguesia incluída na “Zona Carbonífera do Couto Mineiro do Pejão”cuja exploração de carvão em Pedorido (poço de Germunde) encerrou em 1994 por decreto do Governo.
Deixou muita gente no desemprego e as dificuldades repercutiram-se em muitas famílias até aos dias de hoje.
Agora, a sua economia assenta na Agricultura e Indústria (calçado, construção civil, mobiliário, metalomecânica, etc) localizada na Zona Industrial de Lavagueiras, com cerca de uma dúzia de empresas e onde laboram cerca de 500 operários.
Do seu património monumental evidenciamos a Igreja Matriz de Santa Eulália, que foi inaugurada a 14 de Agosto de 1949.

Fontes: J.F.Pedorido/C.M.Castelo de Paiva

Continua...

Sem comentários:

Publicar um comentário