segunda-feira, 15 de julho de 2013

Provérbios para meditar...


O que ao próximo fizeres
É bem que doutrem o esperes.

Vejo os defeitos do amigo
Lamento, mas não maldigo.

Ao amigo molestar,
Nem a rir, nem a brincar.

O mal que a outrem molesta
Não o tomes por tua festa.

Faz bem, que nesse instante
A Deus ficas semelhante.

Boa fama até no escuro
O seu brilho tem seguro.

Leve o demónio arcas de ouro,
Boa fama é que é tesouro.

Cheguei um amigo a perder:
Que maior pena posso ter?

O que deveras queremos
Cedo ou tarde alcançaremos.

Ao bom pai cumpre adorá-lo,
Ao pai ruim suportá-lo.

As feridas da ternura
Quem as faz é que as cura.

Dá logo ao necessitado,
Que será favor dobrado.

(Recolha Literária: António Feliciano de Castilho)


Há tanta poesia no sorriso de uma criança
Como no brilho de uma estrela.

Quanto mais penso nos homens
Mais adoro a Deus!

As ações ruins
Não justificam outras ações ruins.

Não é virtuoso o que pode sê-lo:
É aquele que quer sê-lo.

Os que não amam vivem ao sabor de caprichos:
Velas sem rumo, asas sem penas.

Não há nada mais comovedor
Do que as surpresas e os desenganos das almas simples.

O riso é a espuma da alegria
E as lágrimas são a essência da dor.

É preferível louvar a condenar - mesmo quando se erra -
Um louvor imerecido causa menos dano
Do que uma afirmação injusta.

Quem se contenta com o que tem
Possui a maior virtude.

Os homens que confessam lealdade dos seus erros
E deles se arrependem, são homens bons.

A nossa dor pode avaliar-se
Pela alegria dos que nos querem mal.

Ofensa que se despreza
É tranquilidade que se conquista.

Na alma de todos nós
Há sempre um cantinho que não nos pertence:
O da compaixão pelos pobres:

(Recolha Literária: José de Miranda)

Sem comentários:

Publicar um comentário