sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Dia de poupança ou...

POUPAR TODOS OS DIAS ?!


(Versículos do PÃO NA MESA)

Pão nosso de cada dia,
Dêem-se graças a Deus!
O que é ter fome para a fome
Que nunca o saibam os meus!

A mesa quando está posta
É tal e qual um altar:
- Toalha branca de neve,
Jesus no pão p'ra se dar.

Partiu-se o pão em fatias,
Caíu para o chão um bocado,
Que o pão agora caído
Por nós não seja lembrado!

Por nós não seja lembrado
O pão caído sem querer:
- É já erguê-lo e beijá-lo,
(Pode-se Deus ofender!)

«Não como o pão que está duro,
Dê-me outro, faça o favor!»
- «Filho que nunca nos falte
Com ele Nosso Senhor!» 

É bom comer-se de tudo,
Quem sabe lá o que vem?!
Pão nosso de cada dia
Nunca nos faltes, Amém!

Temos acesa a candeia,
Temos a côdea certinha.
Óh, quanta casa às escuras
Sem ter um pó de farinha!

Pãozinho quente do forno,
Fim de semana amassou-se.
É para a pobreza o pão mole
O que é para os ricos o doce!

Ó Padre-nosso, o pão nosso
De cada dia nos dáis!
Comer-se quanto se queira
São mais os menos que os mais!

A mesa quando está posta
Lembra um altar novozinho:
O pão é o corpo de Deus
E o sangue Dele é o vinho!

Versos de António Sardinha

Lá diz o POVO:

" Louvado seja a fartura, que a fome ninguém a atura! "

Sem comentários:

Publicar um comentário