domingo, 19 de janeiro de 2014

19 de Janeiro é o dia de José Fontinha


VER CLARO

Toda a poesia é luminosa, até
a mais obscura.
O leitor é que tem às vezes,
em lugar de sol, nevoeiro dentro de si.
E o nevoeiro nunca deixa ver claro.
Se regressar
outra e outra vez
e outra vez
a essas sílabas acesas
ficará cego de tanta claridade.
Abençoado seja se lá chegar.

Poema de Eugénio de Andrade (Os sulcos da sede)











Eugénio de Andrade nunca quis protagonismo e viveu sempre extremamente distanciado do que se chama vida social, literária ou mundana, avesso à comunicação social, arredado de encontros, colóquios, congressos, etc. e as suas raras aparições em público devem-se a essa "debilidade do coração, chamada... amizade!"
A 13 de Junho de 2005 deixou esta terra este grande Homem e poeta!

Aquele Abraço


Sem comentários:

Publicar um comentário